quinta-feira, 26 de maio de 2016

OS PONTOS QUE VIERAM FORAM SÓ NA TESTA

POR: JOÃO VITOR VIANA


Até que o time se portou bem no primeiro tempo e boa parte do segundo. Contudo, afundou-se em erros individuais e o time, gol após gol, sucumbiu.

O poder de ataque de Willian é inexistente, assim como os chutes a gol. Ganha quem chuta e o Cruzeiro não tem exercido bem essa função. Ontem marcou bem no primeiro tempo, conseguiu bons contra-ataques, teve domínio de jogo. Mas isso não ganha partida, nunca ganhou. E a ofensividade que esperávamos acabou dando lugar a mais um vexame.

Erros catastróficos de Bruno Rodrigo marcaram a partida. Depois de ser decisivo negativamente diante do Figueirense, voltou a "entregar a paçoca". É inadmissível continuar como titular após mais uma partida abaixo da crítica. Ele e o senhor Willian do Bigode, que apenas figura em campo. Jogar com dois a menos complica muito e sobrecarrega quem quer ajudar.

Arrascaeta apareceu somente na cobrança de falta. Antes, porém, perdeu um gol feito na cara do goleiro do Santa Cruz. 

Acredito que chegamos ao ponto que o Cruzeiro tem que jogar pelo 1 a 0. Ajustar primeiro a defesa para depois atacar. Do jeito que a zaga andou ontem e do jeito que o ataque foi horrível, a gente não vai sair ali de baixo tão cedo.

As contratações? Bom, acho que o nosso presidente deve estar na fazenda dele, os diretores viajando às custas do clube pela Europa e a gente fica aqui, esperando coisa boa. E aí me anunciam Raniel.

Esta é a realidade do Cruzeiro.

Hora de juntar os cacos e tentar refazer-se de mais um desastre. Os pontos que queríamos trouxemos na testa. 4 a 1 no lombo e muito trabalho para ser feito.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

EM BUSCA DOS QUATRO PONTOS

POR: JOÃO VITOR VIANA

Hoje temos mais um desafio pela frente. E não será nada fácil. Na liderança, o Santa Cruz joga em casa e tem sido um adversário indigesto neste Brasileirão. Com quatro pontos, é líder, vencendo no critério de desempate. Se venceremos, hoje, alcançamos o líder, embora não a liderança, uma vez que outros jogos ocorrerão não só hoje como amanhã. Mas três pontos, agora, aliviaria bem uma situação incômoda: a de estar na parte de baixo da tabela. Diante disso, que busquemos os três pontos para atingirmos os quatro.

Pela frente, como já disse, um adversário complicado, que historicamente complica. Tanto que há 41 anos não vencemos naquele estádio. Hora de vencer. Preocupação inicial é com Grafitte, que vem se destacado no Brasileiro, sendo o artilheiro até o momento, com quatro gols.

Bruno Rodrigo e Bruno Viana deverão ser os incumbidos de anular o artilheiro do Santinha. 

Tomara que consigam.

Romero e Lucas tendem a voltar. Contudo, Paulo Bento não revelou o time nem o esquema tático que irá utilizar. Deu até a entender que utilizaria o mesmo time de sua estreia. Contudo, com especialista na lateral e com o volante de volta, a tendência é que Bruno Ramires e Gino retornem ao banco. Mas nunca se sabe...

Não sabemos como o gajo irá conduzir o time nem quais os critérios dele.

Veremos.

É hoje.


terça-feira, 24 de maio de 2016

TUDO COMO DANTES?

POR: RAPOSO SENSATO

Já diria o poeta...

"Tudo como Dantes, no quartel de Abrantes".

Bom, tudo bem que a cidade de Abrantes é em Portugal...

Que o nosso técnico também...

Mas não podemos repetir, Paulo Bento, o mesmo time da última partida.

Isso se desenha para a partida diante do Santa Cruz.

Como repetir um time que saiu atrás do placar em 2 a 0?

Algo errado o time tinha.

Ao menos vejo assim.

Faltou poder de fogo na marcação.

Faltou criatividade e poder de finalização.

Nosso atacante não chuta a gol.

Nossos volantes tocam basicamente para o lado.

É necessário que algo seja mudado.

Que tal dar uma chance ao Bruno Nazário?

Que tal iniciarmos com Douglas Coutinho?

Que tal termos a volta de um especialista na lateral-direita (Lucas) e Romero no meio?

Não podemos repetir o time, Paulo Bento.

Vamos por os melhores e achar um esquema tático em algumas rodadas?

Cruzeiro não pode insistir naquilo que deu errado.

Tudo como Dantes no quartel de Abrantes?

Espero que não.

Ao menos no quartel celeste, a mesmice não pode perpetuar.

Temos que mudar.

Temos que ser Cruzeiro.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

OFF: JAECI E SUA COERÊNCIA...(*)

Acima, um texto de 25/5/16...

Abaixo... um de 15/6/2015.

Em menos de um ano... como as coisas invertem!


E antes que falem... olha como fala do ex-técnico Luxemburgo...

(*) Post para mostrar como certos profissionais têm espaço na grande mídia até hoje, falam o que querem e são incoerentes ao extremo. Depois reclamam que ninguém mais lê jornal. Como ler um texto ruim, de um cara assim?

ÚNICA PARTE BOA DO CARTÃO DE VISITA: PODER DE REAÇÃO

POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro, de Paulo Bento, iniciou sua trajetória no Brasileiro. Diferente na escalação, na questão tática, mas ainda muito aquém do que queremos. Deu para ter uma noção do que veremos nos próximos jogos. Empatamos, sim, por 2 a 2, com Figueirense, em casa. Mas um saldo positivo ficou: o poder de reação.

A fase não está boa, mas vimos um time mais aguerrido, que tecnicamente precisa ser reforçado. Faltou qualidade para vencer o jogo. E, sinceramente, quando Allano entrou em campo, desisti de vencer e torci para não perder. Tecnicamente é um atleta bem aquém do que precisamos, num nível infinitamente inferior à grandeza do Cruzeiro. Paulo Bento chegou e, com o tempo, acredito que terá essa mesma ideia. Deixo claro que não sou contra a pessoa do jogador e admiro muito a história de vida do Allano. Mas futebol não pode ser caridade. Para estar no Cruzeiro, tem que jogar muito.

Salientar falar que há muitos atletas no Departamento Médico. Vários irão voltar a melhorar o desempenho do time. Ou, pelo menos, que esperarmos que melhorem. Afinal, antes estavam aí e pouco renderam.

O Cruzeiro precisa, urgentemente, de contratar ao menos três atletas para chegarem e serem titulares. Se preciso for, que tragam alguém para ser capitão do time. Há necessidade de liderança em campo, alguém que coordene a equipe e chame a responsabilidade. Alguém como foi Alex, Zinho e Maldonado em 2003; como foram Dedé, Everton Ribeiro, Ceará, Tinga, Julio Baptista e Ricardo Goulart em 2013/2014. 

Um grande time se faz não somente por um grande goleiro. Se faz com líderes. E para alcançar-se a liderança, precisamos de jogadores que chamem a responsabilidade, que decidam jogos. Chega de jogador "religiosinho", "bom menino", "atleta de Cristo". Hora de termos atletas decisivos. Ponto.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

VIÚVAS DO MARCELO: O PROJETO NO EXTERIOR ERA NO NOSSO RIVAL!

POR: MARCÃO ANTI-FRANGA

Ah, senhor Cabelo de Palhaço! O senhor mostrou sua gênese, seu sangue, sua cara! Quanta mentira em carta enviada à imprensa alvinegra! Palavras ao vento, que tornaram-se sem a menor importância após seu anúncio, hoje, como técnico do nosso rival.

Onde está o convite do exterior? Mentiroso! Comprou briga com oito milhões de cruzeirenses, dos quais vários ainda o queriam como técnico do Maior de Minas. Há 15 dias o senhor negou voltar, sob o pretexto de estar apalavrado com um time do exterior. Exterior de onde? Só se for de Belo Horizonte. Estava apalavrado com um time de Vespasiano, né? Lamentável a postura de um cara entregador de colete e técnico de araque. Esperou tão somente Aguirre entregar o cargo. Se um dia o respeitei como técnico, que durou pouco, pois nunca me convenceu, como pessoa, agora, não respeito mais. Mentiu! Mentiroso! Atleticano! Nojo dessa pessoa!

Contenho minhas palavras diante de um cenário de extrema raiva. É esse o nível de profissional que vocês, cruzeirenses, queriam no Cruzeiro? Esse "profissional" que nos "deu" um bicampeonato brasileiro e que em posicionamento covarde, manda cartinha mentirosa à imprensa? Ainda bem que aqui no BLOG eu já adiantava! Era a mais pura MENTIRA! NÃO HAVIA PROJETO NO EXTERIOR COISA NENHUMA! 

Marcelo, por dois anos e meio, se viu vestindo uma camisa que o incomodava. E ter o ápice da carreira no rival do seu time do coração o perturbava, assim como sua família. Piadinhas a todo o tempo nas redes sociais. E, por ser atleticano, buscou ser sempre político, a fim de evitar atritos. Segundo informações, quando daqui saiu, deu "Graças a Deus" para respirar novos ares e parar de o chamarem de atleticano. Era lobo em pele de cordeiro. E o Cruzeiro ainda o quis de volta. Não deviam, jamais, tê-lo procurado novamente. Mais que títulos, uma postura profissional conta muito mais.

Quando saiu daqui, não lamentei. Aliás, já pedia sua saída desde a eliminação ridícula na Libertadores. Não tinha controle do grupo, apenas entregava coletes. Quem organizava o time  eram Ceará, Tinga e Júlio Baptista, líderes internos e que continham vários problemas, nunca externados para a torcida. Do arcabouço do time, todos esses pilares saíram, inclusive o senhor Cabelo de Palhaço, de quem nunca sentirei saudades. Negou o Cruzeiro por motivos pessoais. Saiu da última vez, do nosso rival, escrachado por Kalil. Saiu magoadinho. Mas engoliu o orgulho e voltou para sua casinha, que espero, não seja feliz. Para o Cruzeiro disse não. Para o seu time do coração, abanou o rabo e foi saltitando.

A torcida do Cruzeiro não vai engolir texto de ex-treinador. Não vai acreditar nesse cidadão, que agora compra briga com oito milhões de torcedores. Não vamos ser ignorantes, obviamente. Não cabe à torcida ameaçar o "profissional" nem a pessoa. Mas no dia que as equipes de enfrentarem eu estarei lá, fazendo o meu papel. Marcelo, prepare seus ouvidos!

Viúvas do Marcelo, o debate está em aberto: onde está o projeto do exterior?

NO RECOMEÇO, MUDAR TUDO PODE SER UM PROBLEMÃO. OU NÃO.

POR: RAPOSO SENSATO

Começou a "Era Paulo Bento" no Cruzeiro.

Antes de chegar, juntamente com seus auxiliares, estudou o time.

Mas não viu, em ação, os jogadores estudados.

No primeiro treino em que simulou um time titular, Bento já alterou bastante.

Isso, no meu modo de ver, pode ser um problemão.

Logicamente pode dar certo e muita gente chamaria o técnico de "gênio", "mago".

Mas assim como Aguirre no nosso rival, pode ser chamado de "burro".

Inventar moda ou escalar quem não deve foi uma das marcas de Deivid no Cruzeiro.

E já havia sido assim no final da "Era Marcelo Oliveira" e durante a "Fase Luxemburgo".

Sempre escalações duvidosas, com jogadores cansados ou improdutivos.

Desta vez, Bento escalou Gino na lateral-direita, tacou a zaga com Bruno Viana e Fabrício Bruno...

... e me veio com Bruno Ramires no lugar do suspenso Romero.

Será que é essa a base que vai pegar o Figueira, amanhã?

Sem querer ser vidente, mas temos jogadores que estão com mais bagagem, mais ritmo e que devem ser os escolhidos.

Gosto do Bruno Viana, vi pouco o Fabrício, gosto do Bruno.

Mas será que é para todos, de uma vez, serem titulares?

E Gino na lateral? 

Não seria melhor por o Kevin ou improvisar outro jogador na posição?

Vamos ver o que Bento tem nas mangas.

Espero que a cartada seja a melhor possível.


quarta-feira, 18 de maio de 2016

LONGE DE SER SOLUÇÃO

POR: RAPOSO SENSATO

Tem torcedor, no meu modo de ver, louco, que acredita que Riascos será a solução do ataque o Cruzeiro.

Pura ilusão.

Logicamente, atualmente ele está bem mais adaptado e até jogando bem.

Mas é no Vasco, no Campeonato Carioca e seria na Série B.

Digo seria porque ele está voltando.

Junto a ele, um salário de R$ 250 mil, que o clube terá que arcar sozinho.

E pelo visto, para ele ser reserva.

Será que vale a despesa?

Eu acho que não.

Acho que Riascos foi um investimento errado e que o clube deveria usar o Vasco para que ele fosse negociado e o investimento (US$ 2 milhões) fosse, em parte, recuperado.

Voltando, Riascos não é nem de longe solução para o ataque do Cruzeiro.

Ser protagonista no Vasco é algo bem diferente de ser no Cruzeiro.

terça-feira, 17 de maio de 2016

NA IGNORÂNCIA NADA SE RESOLVE

POR: PROFESSOR CELESTINO

Vi, vivi, venci, já diria o pensador. É assim também quando o assunto é Cruzeiro, o time mais vencedor de Minas Gerais e um dos mais vencedores do Brasil. E até por isso, a torcida cobra, com direito, resultado e bom futebol dos seus jogadores.

A maré não está para peixe, é verdade. Mas também temos que saber que a partir da chegada de Paulo Bento, uma mudança grande vai ocorrer no elenco. Vão chegar jogadores, vão sair jogadores, o esquema tático (se é que temos um) vai mudar e a proposta de jogo também. Então temos que ser pacientes. Não temos um elenco fraco. Apenas não temos o jogador decisivo na frente. Nosso melhor jogador é nosso goleiro e capitão, o que preocupa. Mas vamos dar crédito ao Paulo Bento e abraçar o time desde já.

Fizemos um jogo pífio diante do Coritiba. Partida para ser apagada. Não foi goleada porque Fábio defendeu demais. Mas nada que justifique a ignorância de alguns "torcedores", que em nome de uma torcida organizada, fizeram ameaças ao time na Toca da Raposa II. "Vamos nos pegar nos rolezinhos", disse o cidadão. "Aqui é torcida, aqui é Máfia Azul", completou, enquanto batia boca com o zagueiro Dedé, que educado, apenas retrucou o palavreado chulo e mal falado da pessoa.

Não é hora de bandalheira. Nunca é hora de violência. A cobrança tem que ser feita, mas não agora, não na ignorância, não na ameaça. O Cruzeiro é um time acostumado a títulos e, sua torcida, logicamente, também. Mas que se faça um pacto. Que se espere pelo resultado de um trabalho que se inicia hoje. Na ignorância nada se resolve. O Cruzeiro é formado por atletas, por homens, por cidadãos. O respeito tem que existir das duas partes. Em mais de 40 anos acompanhando o Cruzeiro, vi muita coisa. Vi vitórias e derrotas. Vivenciei várias crises. E sempre demos a volta por cima. Porque somos grandes. Aliás, somos gigantes.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

NÃO VIMOS NADA!

POR: JOÃO VITOR VIANA

Sábado postei aqui que agora era a hora do "vamos ver". Não vi nada. Aliás , até vi. E pelo que vi cheguei à conclusão que Paulo Bento vai ter muito trabalho pela frente. Um time sem coesão e padrão tático discutível, com jogadores piores sendo escalados em detrimento de outros, que sequer entram durante a partida. Hora de chegar um treinador que não tenha "rabo preso" e que faça justiça na escalação dos melhores. Parece que no Cruzeiro há punição aos que atuam bem. Alex, Bruno Viana, Bruno Nazário são alguns exemplos. Já Allano e companhia, reiteradamente atuam sem consonância alguma com a razoabilidade. E permanecem. Estranho.

O Cruzeiro, nem de longe, está sendo Cruzeiro. Diante do Londrina, mostrou uma certa evolução. Mas muito pouco ainda para o que a torcida espera. Ficamos "mal acostumados" com títulos e grandes jogos. E isso faz com que questionemos cada vez mais esse grupo, comissão técnica e diretoria.

Aliás, a diretoria deve dar carta branca à nova comissão, assim como a torcida.

Logicamente queremos um time bem mais presente na próxima rodada, mas diante das circunstâncias, uma forma diferente de jogar, tocando a bola e dominando o adversário é o que queremos ver.

Que o gajo chegue chegando. Que instrua e escale melhor o time em relação àquilo que vinha sendo feito. O trem azul tem que voltar.

sábado, 14 de maio de 2016

HORA DO "VAMOS VER"

POR: JOÃO VITOR VIANA

Hoje inicia o Brasileirão 2016 e, junto a ele, a certeza da qualidade dos times. Isso porque serão 38 jogos para cada equipe e, no final, o melhor vence. Pontos corridos que premia sempre o mais regular. Nesse cenário, Cruzeiro e mais 19 times disputam uma das competições mais difíceis do mundo.

É a hora do "vamos ver". Times ainda estão se adequando, se estruturando e vão passar, na abertura da janela europeia, por mudanças. O Cruzeiro é um desses times e deve trazer ao menos dois jogadores de fora do Brasil. Enquanto a gente contrata, europeus e times de outros continentes irão vir ao Brasil buscar atletas dos nossos adversário e, quem sabe, até jogadores nossos. Os times começam a competição na certeza que o time titular de hoje não será o mesmo de dezembro. Muita coisa vai acontecer e muita água passa debaixo da ponte até lá.

O Cruzeiro esse ano não entra como favorito. Mas não vejo muitos times acima de nós. Vejo uma competição nivelada, sim, por baixo, com times procurando crescer, ajustar. Vejo ainda outra competição, lá embaixo, da qual não vejo o Cruzeiro participando. Ao menos oito a nove times são candidatos a irem para a Série B em 2017.

A competição apenas começa hoje. Vamos ver, daqui sete meses, quem é o melhor time do Brasil.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

LANÇAMENTO DE ROUPA NOVA EM MOMENTO DE INCERTEZA. MARKETING CORRETO? TALVEZ POR TER NOVO FORNECEDOR

POR: JOÃO VITOR VIANA

O esporte brasileiro, em especial o futebol, ainda engatinha no Marketing. Pelo menos ao meu modo de ver. Mesmo sendo um material novo, com novo fornecedor, será que o momento é de lançar um novo uniforme? Torcedor não está indo nem no campo... compraria uma nova camisa a R$ 200,00?

O melhor cenário para lançar um uniforme, principalmente novo, com novo fornecedor, é quando o time estiver bem, voando em campo. 2013 e 2014 foram anos para lançar até linha de moda do Polo Norte. Mas pouco se viu em termos de novidades. E quando lançaram à época, não se apresentou nada de novo.

Ontem o Cruzeiro apresentou seu novo uniforme, muito bonito por sinal. Mas que tal se criassem uma atmosfera diferente, mostrando mudanças dentro e fora das quatro linhas? Se vinculassem a Umbro a uma nova história? Por que não esperar o técnico Paulo Bento chegar e fazer dele a cara da nova fase do Cruzeiro, simbolizada pelo novo uniforme?

Bom, pelo que entendo de Marketing, mais uma vez o Cruzeiro perdeu uma boa chance de promover um produto.

O momento atual é de incerteza. Mas como o cruzeirense é o torcedor sempre da esperança, vamos ver que ventos trazem o novo manto. Que sejam os melhores possíveis.


quinta-feira, 12 de maio de 2016

CHEGA DE TÉCNICO BANANA!

POR: MARCÃO ANTI-FRANGA

Não vou falar que Paulo Bento era a minha opção. Pode dar muito errado, pois não conhece muito os jogadores que tem em mãos a partir da próxima segunda-feira, quando chegará a Belo Horizonte e será apresentado aos jogadores e à imprensa. Mas a forma como Paulo Bento coordena seus jogadores e exige aplicação era o que o Cruzeiro tinha que procurar. Meu nome seria Abel Braga, que tem esse mesmo estilo, embora mais experiente, com bagagem. Paulo Bento tem 46 anos, mas fez bom trabalho no Sporting-POR e na Seleção Portuguesa. Certo que fez uma Copa ruim, mas sempre mostrou um bom serviço desde que começou.

Eu temia que viesse um técnico "banana", "paizão", "jacu", como tantos que por aqui passaram e um perfil que não era o melhor para o momento. É preciso alguém de pulso e Paulo Bento parece preencher ao menos esse requisito. Vai ter internauta comentando para eu citar quem é exemplo de técnico banana. Eu não irei mencionar nominalmente, mas treinador que entrega colete, que é falso diante das câmeras e que se mostra polidinho para a imprensa, para mim é um banana. Tivemos técnicos campeões com o perfil "banana". Mas com maestros em campo fica muito menos complicado. Principalmente se houver experientes do lado de fora segurando a barra pesada que é comandar o Cruzeiro.

Aliás, falta isso também ao Cruzeiro. Falta um Tinga, um Ceará e outros líderes experientes do grupo do Cruzeiro. Não precisa ser titular e nem jogar com frequência. Mas um líder dentro do grupo de atletas e que também seja um líder em campo. Ou alguém acha que o time de 2003 era de santinhos, assim como o de 2013/2014?

Fico feliz com a escolha do portuga. Que ele seja feliz aqui e que os bananas vão treinar equipes lá no exterior, se é que é verdade, ou lá na Série B, onde merecem.

O Cruzeiro é time grande, de jogador e técnico de Seleção.

Hora do Cruzeiro se remendar e entrar logo no estilo do treinador lusitano. Hora da disciplina começar e hora da cobra fumar!


quarta-feira, 11 de maio de 2016

CRUZEIRO ACERTA COM PAULO BENTO

POR: JOÃO VITOR VIANA

O Cruzeiro confirmou, na noite desta quarta-feira, que o novo técnico da equipe será Paulo Bento, ex-jogador e treinador da Seleção de Portugal. Ele esteve no comando da equipe de Cristiano Ronaldo na Copa de 2014.

Jovem, Paulo Bento não era a primeira opção do Cruzeiro. Mas os dirigentes estavam atrás de alguém de pulso forte e de comando tático coerente com as tradições do clube. O perfil "disciplinador" volta ao Cruzeiro após a saída de Mano Menezes. O sucessor, Deivid, era o perfil "despojado", "boleirão", o mesmo de Joel Santana, Renato Gaúcho e outros. Já Paulo Bento é o estilo de Jorginho, Ricardo Gomes, Mano e Abel Braga. O técnico não permite indisciplina e cobra o time, exigindo eficiência e resultados.

Paulo Bento tem chegada ao Brasil marcada para segunda-feira. Contrato até o final de 2017.

Que tenha sucesso no Brasil e que faça do Cruzeiro o que o Cruzeiro sempre foi.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK E NOS AJUDE A CRESCER CADA VEZ MAIS!

Galera do Cruzeiro,

Você, internauta, aficionado com o Facebook, quer acompanhar nossas opiniões durante o dia, se atualizar com nossos posts? Nos acompanhe em nossa página!

Quase que de hora em hora a gente escreve algo do Cruzeiro. Ou é notícia, ou é opinião. Esteja conectado conosco e vamos interagir!

Claro que nosso site é sempre uma plataforma de interação. Mas nossa página no Facebook, com mais de 33 mil curtidas, também é.

Curta nossa página e chame um cruzeirense para curtir também.

Somos parte de uma torcida gigante, de um time gigante. Vamos juntos, agigantar nossa página também!

CRUZEIRO ELIMINA JOGO DE VOLTA EM PRIMEIRA PARTIDA BEM JOGADA NO ANO

POR: JOÃO VITOR VIANA

Cedo para afirmar que o Cruzeiro começa a entrar nos trilhos. Contudo, ao menos, ontem, soube se impor. Diante de uma equipe mais qualificada que a maioria das que enfrentamos no Campeonato Mineiro, pois figura na Série B do Brasileiro, o Cruzeiro se impôs, controlou o jogo, ganhou por 2 a 0 e eliminou o jogo da volta, que ocorreria na próxima terça-feira. Mais conciso e confiante, a Raposa não permitiu que o Londrina chegasse à meta de Fábio. Apenas num último momento, Sanchez Miño quase "entregou a paçoca". Mas o erro individual não deu em nada.

Geraldo Delamore mudou duas peças para a partida. Leo e Pisano entraram na equipe no lugar de Arrascaeta e Bruno Viana. Pisano não foi um primor. Ainda está devendo. Leo foi seguro. Na defesa, porém, destacou boas atuações de Lucas e Bruno Rodrigo. Já no meio, Romero foi seguro, Henrique começou titubeando e errando muito, mas melhorou na partida, inclusive marcando um gol e Élber foi bem mais burocrático que em outros jogos. Willian também não esteve nos seus melhores dias, mas deslocou, deu trabalho ao goleiro Marcelo em cobrança e falta e perturbou a zaga do Londrina. Contudo, pouco finalizou. E é tarefa do atacante não só finalizar como balançar as redes. Até agora, Bigode, só unzinho em 2016!

Não seria injusto se o placar, ontem, ficasse 3 ou 4 a 0.. 4 a 1. O Cruzeiro, nesse período pós-eliminação do Campeonato Mineiro, treinou e Geraldo Delamore buscou implantar uma forma de o time jogar. Juro que ainda não entendi a entrada do Allano no time titular. Prefiro que dê chance ao Bruno Nazário ou, com a chegada de Bryan, confirmado como reforço, que Sanchez Miño jogue por ali. Mas Allano, definitivamente não. Corre muito, mas tecnicamente é muito fraco.

Gostei do que vi. Para mim, melhor partida do ano. Para aplaudir de pé? Logicamente que não. Mas não devemos também fica procurando pelo em ovo e chifre em cabeça de cavalo. Afinal, somos torcedores e queremos ver esse time ganhando, jogando bem e conquistando títulos. Certo? Ontem o time esteve bem. Nota ao time ao final da partida: 7,0.